Cultura empreendedora Editorial Editorial Serviço

Da série: Como gerar experiências negativas para seus clientes

Geralmente ouvimos falar muito sobre a necessidade de gerar “boas experiências” para seus públicos-alvo, certo? No artigo dessa semana quero comentar como você pode irritar e até perder clientes rapidamente.

São dicas para quem não gosta de dinheiro e de um bom atendimento a quem paga suas contas. Afinal, está sobrando clientes para todos, né?

1 – Infernize aquele que lhe contratou com emissões de mensagens que antecipem o pagamento. Exemplos: “Seu boleto vence nesta semana. Fique atento!” ou “Não atrase o pagamento e evite o cancelamento de seus serviços”. E, se puder, avise-o que “não identificamos o seu pagamento”. Com certeza vai deixar o cliente muito feliz! Faça isso;

2 – Cobre-o no dia do pagamento! Ah, essa é infalível. Nem dê chances de atrasar. Se realmente cansou da conta ou empresa que atende, fique no pé mesmo e garanta que o valor mensal seja pago no ato, sem choro ou juros de boleto. O cliente adora, eu garanto!

3 – Se precisa de reembolso, lembre-o várias vezes – no mesmo dia – de fazer a transferência. Até porque “eu preciso pagar as minhas contas, né?!” Insista mesmo, porque cliente gosta é de pressão na hora de pagar as contas. Eles amam a repetição de frases, mesmo quando já entenderam as suas obrigações contratuais e profissionais; Não dê boi!

4 – Chore! Mas chore mesmo e conte todas as suas desgraças para o cliente. Ele irá se comover e lhe pagará no ato! Afinal, o cliente não tem problemas. A economia não é motivo para ele atrasar. E que se dane ele! Quem mandou assinar um compromisso de serviços com a sua empresa, né?! Parcelar, flexibilizar, jamais! Cada um com os seus problemas;

5 – Obrigue seus clientes a darem estrelinhas no site, curtidas nas redes sociais e cobre-o por WhatsApp. Não conheço um que diga que não gostou de ser cobrado desta forma. É super natural, gente! Afinal, é obrigação dizer que “os meus serviços são ótimos”. E repito: não tô nem aí para os problemas dos meus clientes; e

6 – Por fim, não reconheça as trocas que NÃO envolvam dinheiro – afinal, dinheiro não vem de reputação, divulgação, indicação e satisfação. Não confunda CRIME com CREME: é parecido, mas não é a mesma coisa. “Comigo é assim: dinheiro na mão, cueca no chão!”

Bom, se você seguir essas dicas infalíveis, com certeza dispensará rapidinho seus clientes. Claro, se quiser discutir, xingar ou desprezar mais ainda, o resultado bem mais rápido. Já fiz tudo isso e deu certo. Eu garanto! E você, tá fazendo a lição de casa direitinho para perder mais clientes?

PS: Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência. Não ache que é para você todo artigo que escrevo, OK? Escrevo pra mim mesmo! Afinal, danem-se os parceiros – tema do próximo artigo.

Fonte: Comunicar Bem

Sobre o autor

Thiago Ermano

Thiago Ermano – Jornalista e Consultor de Comunicação e Networking. Especializado em formar redes de relacionamentos para pessoas e empresas, tem passagens pela Rede Globo, Rede Record, TV Cultura, Folha de S. Paulo, Editora Abril e Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV-SP). Atuou como diretor do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) e foi vice-presidente do Observatório Social do Brasil - São Paulo. É Palestrante e Professor de Comunicação, Empreendedorismo e colabora para a criação de redes empreendedoras.

Adicionar comentário

Clique aqui para comentar

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.